Encenar o acaso


antes do assalto / before the break-in
Acrylic on canvas
130 x 100 cm, 2011




natureza morta / still life
Acrylic on canvas
120 x 90 cm, 2011




manga-de-alpaca
Acrylic on canvas
120 x 130 cm, 2012




Medusa (e o homem de bronze) / Medusa (and the man of bronze)
Acrylic on canvas
90 x 130 cm, 2012




o polvo / the octopus
Acrylic on canvas
110 x 110 cm, 2011




no alguidar / in the basin
Acrylic on canvas
100 x 108 cm, 2011




o mimo / the mime
Acrylic on canvas
140 x 110 cm, 2011




no mercado / in the market
Acrylic on canvas
130 x 110 cm, 2011




timidez / shyness
Acrylic on canvas
90 x 120 cm, 2011




a gamba / the shrimp
Acrylic on canvas
90 x 100 cm, 2011


Imagens claras, iluminadas. E da claridade nasce a ameaça, por linhas sinuosas chega uma dúvida, a incerteza, a insegurança.

Primeiro a claridade, a beleza, depois a figura, empatia, desconforto, sensação de perigo, de novo a harmonia, a delícia, e logo algo agressivo, incómodo, - uma imagem fértil. Memória de vivências.

É neste percurso, que oscila entre o deleite e o desconforto, que se tenta possibilitar o maior desfrute, que se promove a procura dentro da imagem de mais um pormenor que permita avançar numa observação de contrastes subtis, de mudanças ténues e constantes de direcção. Como na vida.

A imagem fértil, de onde se parte em múltiplos sentidos, ou de onde se desfruta as possibilidades de partida, de leitura. De onde se antevê, ou se contempla. Uma imagem que possibilita o pensamento, que lhe dá um lugar para expandir-se.

A realidade banha-nos de imagens férteis permanentemente. São encontros ocasionais, e momentos de claridade.

Encenar os encontros: O processo nasce de um estímulo. Um objecto, uma acção, uma mancha. Segue-se o depurar de uma situação no sentido de apresentar o estimulo no seu máximo potencial. Então o objecto move-se por vários cenários, é acompanhado por outros objectos, ou por figuras que representam ou agem de modo a acentuar a singularidade do estímulo, ou de modo a limpar a imagem de outras distracções. Define-se o quadro. E este é uma representação de uma imagem fértil, uma encenação que apresenta um momento capaz de promover o sentimento, o pensamento, ou o desfrute, quer da bonança, quer da tempestade.


Joana Lucas
Berlim, Fevereiro de 2012